31 de mai de 2015

Capítulo 13

Zac: Você está muito comportada. - falei em seu ouvido, enquanto tirava sua calcinha -
Vanessa: Nunca mais vou usar calcinha. - sussurrou respirando sensualidade, e eu a beijei -
Depositei beijos em seus seios, na sua barriga e cheguei até sua volúpia. Tão cheirosa, a visão dela toda depiladinha me enlouqueceu. Comecei a chupar enlouquecidamente aquela maravilha que ela tinha. Ela gritava de prazer, e pedia mais. O tesão era absurdo para considerar qualquer coisa que não fosse aquele espetáculo que estava acontecendo. Finalmente chegou a hora do ato central daquela peça sensacional. Estávamos pensando a mesma coisa, então ela me puxou e eu subi meu corpo, me encostando na cama. A carreguei e a coloquei sentada sobre meu colo. Nos beijamos por alguns minutos, e ela sussurrou em meu ouvido: "Não aguento mais de vontade”. Aquilo tinha sido demais. Introduzi meu membro nela na hora, que deu um grito alto e começou a gemer. Apoiando as duas mãos em meu peito suado, ela emitia movimentos perfeitos alternados com reboladas sensacionais sentada sobre mim. Esticou a coluna e jogou a cabeça pra trás, fazendo com que seus cabelos longos tocassem delicadamente minhas coxas. Entrelacei meus braços com força pela cintura dela e a segurei sobre mim, acelerando os movimentos.  Sem lençois que nos atrapalhassem, a visão de suas perfeitas curvas me deixava mais rígido ainda. E isso era excitante, porque grande parte das mulheres com quem eu tinha estado exigia que fizessemos sexo com a luz apagada ou debaixo do cobertor. Ela não. Ela era gostosa pra caramba e sabia disso. Seus beijos tinham o sabor do puro sexo naturalista.
Louco, eu falava várias sacanagens no ouvido dela, dizendo que fazia tempo que eu queria comer ela desse jeito. Ela entrava no jogo, e em um dos momentos disse que seria minha amante a partir de agora e que se eu não me comportasse direitinho ela acabaria comigo.
Disse ainda que eu estava em suas mãos, e teria que comê-la sempre que ela quisesse. Eu só concordava, primeiro por estar com tanto tesão e também porque naquelas alturas do campeonato não havia mais o que fazer mesmo. Continuamos ali, com ela sentada sobre mim durante um bom tempo, até que ela gozou, fazendo um escândalo. Oh, que delicia era ouvir aqueles gemidos... Se o hotel não fosse tao grande, era certo que alguém teria nos escutado.  Após o sexo gostoso narrando todas as suas sensações no meu ouvido, ela se virou e sentou de costas no meu membro.
Aquela visão me enlouquecia.  Após mais uns minutos assim, estava chegando a minha hora de gozar. A coloquei de quatro pra mim, e ela contorceu seu tronco para me beijar. Começamos a trepar de novo, ela com o bumbum perfeitamente empinada enquanto eu a comia com vontade. Puxei o cabelo dela, o que fez com que ela gritasse de prazer. Gemi alto ao sentir o gozo passando por meu pau, e gozei. Assim que acabei, ela voltou-se pra mim, toda molhada, e me deu um beijo sensacional.
Zac: Wow. - deixamos nossos corpos caírem simultaneamente na cama - Você é muito boa nisso.
Vanessa: Eu sei. - falou ofegante -
Zac: Não, sério. Muito boa. Você sabe exatamente o que fazer com o corpo de um homem.
Vanessa: Parece que você finalmente arranjou uma adversária a altura.
Zac: Oh, você sou eu de saia, Nessa. - brinquei, e ela gargalhou -

-Com Vanessa-

Acordei antes dele no outro dia. Abri os olhos pela manhã e o vi dormindo, com um braço sobre mim. Me levantei com cuidado para não acordá-lo, e comecei a me vestir. Mas fui surpreendida com ele acordando.
Zac: Hum... - se espreguiçou - Bom dia.
Vanessa: Bom dia. - falei vestindo o vestido -
Zac: Aonde você vai? Não está muito cedo pra estar de pé?
Vanessa: Vou voltar pra minha suíte.
Zac: Hum. - falou, meio sem graça - Eu achei que íamos tomar café da manhã juntos.
Vanessa: Ah, er... Desculpe, então. - peguei meus sapatos -
Zac: Tudo bem. - eu sorri, e abri a porta para sair do quarto - Na próxima vez use um vestido mais fácil de ser tirado. - ele sorriu -
Vanessa: Oh, não haverá próxima vez. - vi seu sorriso se desmanchando, bati a porta e saí -
Subi o elevador e entrei finalmente em meu quarto. Tomei um banho quente e vesti uma roupa mais confortável, então fui ler meus emails.

-Com Zac-

Como assim não haveria próxima vez? Essa frase era minha! Além do mais, aquele tinha sido o melhor sexo da minha vida, não podia existir isso de "não haverá próxima vez". Ela não pode simplesmente bater na minha porta, me proporcionar uma noite daquelas e sair pela manhã.

-Com Vanessa-

Mais tarde, desci para tomar café da manhã. Me sentei numa mesa com uma xícara de café e alguns croissants, então o Poncho apareceu.
Zac: Bom dia. Novamente.
Vanessa: Oi.
Zac: Você está meio diferente... - falou, me olhando - Espero que a noite anterior não tenha deixado um clima estranho entre a gente.
Vanessa: De maneira alguma. - sorri -
Zac: Ótimo. - puxou uma cadeira e se sentou - Nesse caso, tenho más notícias.
Vanessa: O que?
Zac: Acabei de falar com o Charlie. O reforço que a CIA estava mandando para prendermos Guido e Silvio Belucci não vai chegar. O carro com os oficiais virou "acidentalmente."
Vanessa: O que? - perguntei surpresa -
Zac: É. Dou um dedo mindinho meu como esse acidente foi causado pela máfia.
Vanessa: O que faremos agora então?
Zac: Bem, como já tinha te dito, é loucura irmos até eles sozinhos.
Vanessa: Então temos que pedir reforços novamente!
Zac: Eu já fiz isso, mas o Charlie disse que o conselho não quer arriscar a vida de mais oficiais. Ele precisa convencê-los disso, ou caso contrário estaremos sozinhos.
Vanessa: Enquanto isso ficaremos de braços cruzados?
Zac: Bem... - pegou um croissant meu - Eu preciso fazer uma viagem nesse fim de semana.
Vanessa: Oh, sério? Você consegue pensar em se divertir agora?
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Aqui está a continuação minhas queridaas!! :D
OIII!? Como assim não tem próxima vez?? 
Vanessa ta maluca é???
Mais uma vez postei esse capítulo mais cedo pq
queria pedir a vocês que puderem ajudar a indicar a Vanessa e
o Zac no Teen Choice Awards corre lá pq às 14:30h até às 16h ocorrerá um
mutirão pra ajudar a Vanessa lá no Twitter e a do Zac é a partir das 16h!!
Segue a gente @ZanessaLoveBr e dá RT em TUDO tipo T-U-D-O mesmo que
tiver as tags:
#TeenChoice #CandiesStyleIcon Vanessa Hudgens
e
#TeenChoice #ComedyMovieActor #ChoiceMaleHottie Zac Efron
ou que tiver assim
#TeenChoice #ComedyMovieActor #ChoiceMaleHottie Zac Efron and #TeenChoice 
#CandiesStyleIcon Vanessa Hudgens
Não sei se postarei outro capítulo hj pq estarei no twitter mais uma vez totalmente
envolvida nesses mutirões!!
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

30 de mai de 2015

Capítulo 12

Zac: Não me julgue. - pedi - Pelo que eu conheço de você, você não é tão diferente. Ou eu estou errado?
Vanessa: Meu caso é diferente. - tomou um gole delicado de vinho - Não me falta homem, o que me falta é amor.
Zac: Entendo. - falei, concordando - Na verdade, podemos tornar mais abrangente esta questão tão entranhada no universo dos sentimentos humanos. Pois, quantidade não é o problema, mas qualidade... É mesmo algo muito raro. - ela me olhou por uns segundos, quieta. Talvez surpresa por me ver falando daquele jeito. -
Vanessa: Isso vindo de um cara que dorme com qualquer uma que tenha uma vagina.
Zac: Isso não é verdade. - eu ri -  Só eu sei que dentro de mim tem uma coisa pronta, esperando pra acontecer. Mas o problema é que acho que essa coisa depende de outra pessoa.
Vanessa: Mas até você deixar alguém entrar, você estará sempre sozinho.
Zac: Você e eu temos os mesmos buracos nos nossos corações. - falei, concordando -
Vanessa: É. Mas você nem sonha que eu sou meio ciumenta, bem chata, quero ser mãe e acredito no amor da minha vida. Acredito no amor pra sempre. Acredito em alma gêmea.
Zac: Seus olhos brilhantes não conseguem esconder isso. - sorri, e tomamos juntos um gole de nossas taças de vinho -
Terminamos o jantar, e subimos juntos o elevador. Minhas mãos estavam agitadas, queriam tocá-la; ela estava tão perto, mas ao mesmo tempo tão longe. Eu tinha medo de fazer algo que ela não quisesse. Dá pra acreditar? Eu, com medo. Só nós dois ali, no elevador, e eu receoso de estragar o jantar maravilhoso que tivemos. Além do mais, eu a tinha prometido que seria apenas um jantar, não queria ser atrevido e irrita-la. Então, ainda que cada músculo do meu corpo fosse contrariado, decidi me despedir com um simples beijo na bochecha.
Zac: É o meu andar. - falei, enquanto as portas se abriam - Boa noite, olhinhos brilhantes. - sorri, me aproximando -
Vanessa: Boa noite. - dei um beijo em sua bochecha, e sai do elevador -
Passei o cartão na porta do quarto, e entrei. Me joguei na cama do jeito que estava, e olhei pra minha calça. Droga. Eu tinha ficado excitado. Com um beijo na bochecha.

-Com Vanessa-

 Enquanto o elevador subia para o meu andar, me perguntei porque eu não estava completamente satisfeita com aquela noite. Ele estava tão bonito, tão cheiroso... E eu não conseguia tirar a cena dele sem camisa da minha cabeça. E eu estava tão excitada com isso... Que se dane, não queria ter que passar o resto da noite sozinha depois de um jantar tão agradável. Então apertei o andar dele, e impulsivamente bati à sua porta.

-Com Zac-

Bateram na porta, e eu me levantei desanimado para abri-la. Assim que o fiz, a Vanessa me puxou pelo terno e me beijou. Ali mesmo, parados, com a porta aberta. Ela entrou no quarto, e eu fechei a porta com uma das mãos livres, enquanto a agarrava com força pela cintura com a outra. Não era necessário dizer nada, eu entendi o recado. Eu puxei seu corpo e ela prendeu as pernas em meu tronco, enquanto eu caminhava com ela. Encostei-a na parede, beijando toda sua face. Tirou meu blazer com minha ajuda rapidamente, e voltou as mãos para minha nuca. Que gosto delicioso tinha aquela mulher...Desabotoou experientemente os botões de minha camisa, enquanto eu apenas a beijava. A coloquei de costas para a parede e encostei nela, fazendo ela sentir como eu já estava excitado. Ela ficou empinada enquanto eu a beijava o pescoço e abria o zíper apertado de seu vestido justo. Segurando o vestido com uma das mãos, ela me tocou, mostrando que adorava minhas carícias. Toquei suas coxas com desejo e acariciei-a, o que fez com que nossas respirações aumentassem consideravelmente. Ela deixou que o vestido caísse, me deixando apenas com a visão de uma perfeita lingerie de renda vermelha. Enlouqueci na hora. Carreguei-a novamente e joguei nossos corpos na cama. Por cima dela, minhas mãos percorriam cada centímetro daquele corpo maravilhoso. Comecei a acariciar ela , que tanto havia desejado durante o dia que a tinha visto. Ela correspondia a cada um dos meus ataques, e já foi tirando minha calça e começou a me beijar, descendo até chegar na minha cintura. Àquela altura, eu já estava louco de tesão e não via a hora de pegá-la de jeito, como eu gostava. Meu pênis estava duríssimo, e ela começou a fazer movimentos por cima da cueca, enquanto me olhava com uma carinha de safada.  Só balancei a cabeça positivamente, e  ela tirou minha cueca em um só movimento. Fez uma cara de mais safada ainda, olhando pro meu pênis lisinho, e sem demora começou a beijar a cabecinha, lambendo até a base e logo começou a chupar. Que maravilhoso, ela sabia fazer! Sempre soube que ela fosse tão gostosa e me desse tanto tesão, mas ela sabia exatamente o que fazer com a mão e com a boca, e me deixava maluco.
Depois de alguns minutos de prazer intenso para a minha masculinidade, foi a minha vez de investir sobre aquele corpo deslumbrante. A beijei com velocidade e com vontade, voltando a ficar por cima dela. Eu cabia perfeitamente no espaço de suas duas pernas recém abertas, e com apenas uma mão e com a pratica adquirida, tirei seu sutiã. Aqueles dois seios maravilhosos saltaram. Comecei a mordiscá-los, lambê-los, chupá-los, beijá-los, e a cada "oh" lançado por ela eu queria mais. Pela primeira vez na vida, eu nem sabia direito o que fazer com aquelas duas maravilhas que mal cabiam na minha boca. Comecei a beijá-la, descendo até chegar à sua diminuta calcinha. Estava louco para sentir seu sabor.
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Oooops, acho que agora foi hein!? hahahahaha
Alguem soltando fogos??? 
Postei esse capítulo mais cedo pq
queria pedir a vocês que puderem ajudar a indicar a Vanessa e
o Zac no Teen Choice Awards corre lá pq às 15h até às 16h ocorrerá um
mutirão pra ajudar a Vanessa lá no Twitter!!
Segue a gente @ZanessaLoveBr e dá RT em TUDO tipo T-U-D-O mesmo que
tiver as tags:
#TeenChoice #CandiesStyleIcon Vanessa Hudgens
e
#TeenChoice #ComedyMovieActor #ChoiceMaleHottie Zac Efron
ou que tiver assim
#TeenChoice  #ComedyMovieActor #ChoiceMaleHottie Zac Efron 
#CandiesStyleIcon Vanessa Hudgens
Não sei se postarei outro capítulo hj pq estarei no twitter totalmente
envolvida nesses mutirões!!
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

29 de mai de 2015

Capítulo 11

-Com Zac-

Eu estava no meu quarto, descansando, quando meu celular tocou.
Zac: Alô?
Reese: Você ainda lembra  de mim, maninho? - perguntou, e eu ri -
Zac: Impossível esquecer de você, Re. Você é minha irmã mais nova. - sorri -
Reese e eu éramos muito unidos. A nossa pouca diferença de idade - apenas três anos - permitiu que eu e ela crescêssemos juntos e compartilhando das mesmas experiencias.
Reese: Você vem esse fim de semana pra Nápoles?
Zac: O que vai ter em Nápoles?
Reese: É o meu casamento, Zac. Sabia que você tinha esquecido.
Zac: Oh meu Deus, eu esqueci totalmente, Re. Ainda não me acostumei com a ideia de você se casando.
Reese: Você não se envergonha? Sua irmã mais nova está se casando antes de você.
Zac: Eu me orgulho disso! - ela riu -
Reese: Você não muda... - alguém bateu na porta -
Zac: Ei, preciso ir agora. Tem alguém batendo na porta. Prometo que estarei ai, ok? - desligamos -
Caminhei até a porta e a abri, e me deparei com a Vanessa parada.
Vanessa: Você ainda não está pronto? - perguntou impaciente, ao me ver apenas com uma samba canção -
Zac: Pronto pra que? Tínhamos marcado alguma coisa hoje?
Vanessa: Temos que ir até o galpão, prender Guido Corleonni!
Zac: Você ficou maluca? Não vamos sair de lá vivos se formos sozinhos. Pedi reforços à CIA hoje de manhã, eles já estão a caminho. Devem chegar aqui amanhã de manhã.
Vanessa: Você é tão medroso... - falou saindo -

-Com Vanessa-

Entrei no elevador para voltar pro meu andar, mas antes que as portas se fechassem, o Zac apareceu e impediu que isso acontecesse.
Zac: Ei... - parou em minha frente - Você, é...., tem planos pra hoje à noite?
Vanessa: Não.
Zac: Você gostaria de jantar comigo, então?
Vanessa: Achei que você soubesse que mulheres não gostam de perguntas.
Zac: Venha jantar comigo.
Vanessa: Hum, muito autoritário.
Zac: Quer jantar comigo?
Vanessa: Outra pergunta. - ele ficou em silencio por alguns segundos -
Zac: Vou jantar, se você quiser se juntar a mim. - eu sorri, provocante -
Vanessa: Obrigada pelo convite, mas não. - as portas iam se fechar, e ele colocou a mão novamente -
Zac: Por quê? É só um jantar, eu prometo. - fiquei quieta -
Vanessa: Ok. Só um jantar. - ele sorriu satisfeito, e deixou que as portas se fechassem e o elevador subisse -

-Com Zac-

Tomei uma ducha fria pra acalmar os pensamentos sobre aquela noite. Saí do banho, fiz a barba, penteei o cabelo e vesti uma calça jeans escura, uma camisa social branca e um terno preto por cima. Estava inesperadamente ansioso para aquele jantar, ainda que eu soubesse que, dependendo dela, não rolaria nada. Mas porque essa ansiedade, então? Eu costumava decifrar as mulheres em tão pouco tempo, mas ela era tão misteriosamente atraente que isso só me fazia querê-la mais. Ainda mais depois daquela prévia do beijo que tive na porta do seu quarto. Desci o elevador e a esperei no restaurante luxuoso do hotel. Ela estava demorando um pouco mais do que o esperado, já passava das onze e eu estava ficando preocupado se ela não iria aparecer. Afinal, ela era assim, imprevisível. Mas quando menos esperei, a vi descendo alguns degraus, com um sapato alto que torneava suas pernas, um vestido justo que valorizava suas curvas e um batom vermelho que ressaltava a cor de seus olhos.
Vanessa: Oi. - sorriu -
Zac: Oi. - sorri de volta, tocando em sua mão - Você está linda.
Vanessa: Você também não está nada mal.
Então, a acompanhei até uma mesa para dois, e puxei a cadeira para que ela se sentasse. O lugar parecia ter sido projetado para um primeiro encontro. As luzes perfeitamente harmonizadas com a decoração, a música ambiente baixinha... Muito agradável.
Vanessa: Quem diria que você seria um cavalheiro. Até puxou a cadeira para mim. - ela brincou -
Zac: Tem muitas coisas sobre mim que você não sabe. - sorrimos -
Garçom: Boa noite, senhores. - apareceu, simpático - Posso trazer-lhes algo para beber?
Vanessa: Um vinho? - ela me olhou -
Zac: Perfeito. Um vinho. - confirmei para o garçom, e ele saiu - Nunca tinha reparado no quanto seus olhos são bonitos. Eles tem um brilho incrível. - falei, sincero -
Vanessa: Obrigada. - ela sorriu da mesma forma - E você também está mais bonito barbeado.
Zac: É, a ocasião pede. - ri, e o garçom serviu-nos duas taças de vinho tinto -
Vanessa: Obrigada. - sorriu, agradecida, e ele saiu -
Zac: Sabe... - falei terminando de tomar um gole - A melhor coisa sobre essa noite é que não estamos brigando.
Vanessa: Oh, mas isso é só uma questão de tempo. - brincou - Espere até você começar com suas piadinhas irritantes.
Zac: Isso depois de você tagarelar muito. - rimos juntos -
Vanessa: Eu ainda não sei como você me convenceu a vir, aliás. Parece errado.
Zac: Estamos aqui, agora. Não podemos apenas sermos felizes com isso?
Vanessa: Sinceramente, tenho medo de estar caindo no seu joguinho com as mulheres. Acredite, você é melhor nisso do que pensa.
Zac: Confie na minha perseverança e nas minhas palavras. Elas valem muito e você também. - sorri, tomando outro gole da taça -
Muitos minutos se passaram, e a conversa fluía perfeitamente. Sem necessidade de delongas ou joguinhos, eu estava apreciando a companhia dela naquela noite. E isso era raro.
Zac: Seus olhos... Eles escondem tanta coisa.
Vanessa: Você nem imagina. - ela sorriu -
Zac: Eu adoraria saber de todas elas.
Vanessa: Eu poderia te contar, mas eu teria que te matar depois. - rimos -
Zac: Clássico. Bem, se você preferir, posso falar sobre mim primeiro. - ela me olhou atenta - Gosto de ficar sozinho. Ou me convenço de que eu fico melhor assim. Estamos melhores sozinhos. Sofremos sozinhos, morremos sozinhos. Não importa se é o marido ideal ou o pai do ano. O futuro será o mesmo para todos.
Vanessa: Oh, eu sei disso. Sabe, tenho certeza de que quando a mulher certa aparecer na sua vida, você vai ter medo o suficiente para dizer que não tem espaço na sua vida para um relacionamento.
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Ooh o Zac tem uma irmã!? Ameii!! hahaha
E esse jantar do Zac e da Vanessa hein!?
Será que ele vão ficar só nessa ou irão avançar mais!?
Louca pra saber a respostaaaa hahaha
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

28 de mai de 2015

Capítulo 10

Vanessa: Você passou a entrada.
Zac: Não passei, não. É a próxima a direita. - ela mexeu no rádio, trocando a estação. Mudei-a de novo para a estação inicial. - Desculpe, regras da casa. O motorista escolhe a música, a prostituta fica calada. - pisquei –
Descemos do carro, e encontramos um galpão adandonado. No letreiro dizia "Empresas Marchy", mas todo mundo sabia que aquele lugar tinha falido há dois anos atrás.
Vanessa: Essas empresas distribuíam alimentos, mas faliu a dois anos. - falou entrando -
Zac: Wow, tem cachorros aqui. - falei dando um passo atrás -
Vanessa: Eles estão presos.
Zac: Mas tem o dobro do meu tamanho!
Vanessa: Você tem medo de cachorro? - riu debochada -
Zac: Animais não gostam de mim. Especialmente cães. Acho que não aprovam o que eu faço com suas donas.
Vanessa: Ou talvez eles só queiram eliminar a concorrência.
Xxx: Quem são vocês? - falou grosseiramente -
Zac: Eu sou um castigo de Deus, e se você não cometeu grandes pecados, Deus não teria enviado um castigo tão grande quanto eu. - apontei minha arma pra ele, e ele correu –
Corri atrás dele com tudo que podia. Subimos em cima de containers, pulamos uns obstáculos, mas finalmente o peguei no terraço.
Zac: Pra quem você trabalha? - falei dando um mata-leão nele - PRA QUEM VOCÊ TRABALHA? - ele não respondeu -
Vanessa: Nesse caso vamos te amarrar aqui e te fazer umas perguntas. Amigavelmente, é claro. - falou chutando uma cadeira pra perto de mim –

-Com Vanessa-

Vanessa: Ok... - terminei de apertar o nó que o prendia a cadeira - O que são esses containers?
Xxx: Eu não sei, eu juro. - apontei a arma pra ele - São notas falsas, ok? - falou choroso - Eles pretendem coloca-las em circulação para fraudar o sistema monetário europeu. É tudo que eu sei!
Zac: Eles quem?
Xxx: A máfia. Por favor, me deixem ir.
Vanessa: Silvio Belucci e Guido Corleonni estão aqui?
Xxx: Eu não sei, não os conheço. Sempre tratei com o irmão do Sr. Corleonni.
Zac: É, ela o conhece bem. - falou apontando pra mim - Onde eles estão agora? - perguntou –
Antes que ele pudesse responder, um outro cara apareceu armado. Mas aquele rosto me era familiar... Eu o conhecia de algum lugar.
Xxx: Soltem-o! - gritou -
Zac: O que? Esse cara não estava morto, Vanessa? - me lembrei instantaneamente. Era o cara que tinha nos atacado no hotel em Charmonix. -
Vanessa: Eu atirei nele, você viu!
Zac: No coração, Vanessa! VOCÊ TINHA QUE TER ATIRADO NO CORAÇÃO! - levantamos
as mãos, em sinal de rendição - Agora eu vou morrer num lugar onde as enfermeiras nem são gostosas! Se seu trabalho era me proteger, você foi péssima.
Xxx: Calados! - gritou –
Pela cara dele, dava pra ver que ele não era experiente nem veterano no assunto. Ele segurava a arma trêmulo, e suava frio. Claramente tinha mais medo de nós do que nós dele.
Zac: Ok. Quando eu contar até 3 a gente pula. - sussurrou -
Vanessa: Ficou maluco? Estamos no terraço!
Zac: Tem containers há uns 7 metros. Não vai doer tanto. - segurou minha mão - Pronta? - me olhou
Vanessa: Não, e você?
Zac: Não. Então vamos.
Demos uns dois passos largos e pulamos. Caímos em cima de um monte de caixas e mercadorias, mas a queda realmente não tinha sido tão dolorosa assim. Antes que nos levantássemos para correr, o cara que eu devia ter matado atirou duas vezes lá de cima, e começamos a correr.
Zac: Ei, espera.. - paramos, e ele pegou uma coisa no bolso -
Vanessa: O que é isso?
Zac: Um rastreador. Você não tem um desses? - sorriu, se gabando –
Então ele o colocou embaixo de uma pick-up que estava estacionada, entramos no carro e voltamos para o hotel.

-Com Zac-

Zac: Eu preciso dizer... - falei na porta do quarto dela - Você esteve ótima hoje.
Vanessa: Obrigada. Oh, e aliás... Essas botas são minhas agora. - sorriu -
Zac: Se quiser usar apenas elas, fique a vontade.
Vanessa: É uma boa ideia. - falou se aproximando de mim, e a olhei surpreso. -
Zac: Sério? - falei animado -
Vanessa: Eu vi o jeito que você me olhava enquanto eu dançava. - sussurrou colando seu corpo ao meu, e tocando no meu colarinho -
Zac: E...? - falei baixinho também, hipnotizando pelos lábios dela -
Vanessa: Quem se mostra facilmente seduzido facilmente se torna sedutor. - falou provocante, e saiu de perto de mim -
Zac: Não faça isso. - a puxei com força e colei seu corpo no meu novamente - Está ficando difícil resistir a você. - sussurrei -
Vanessa: Então não resista...
Então eu a beijei, ali no meio do corredor do hotel. Apertei o máximo que podia seu corpo contra o meu, tentando conter o desejo que eu tinha em tê-la em minha cama. Enquanto uma de minhas mãos puxava os cabelos de sua nuca, a outra passeava curiosa pela curva de seus quadris e diminuta
cintura. Mas ela parou no meio do beijo.
Vanessa: Ok... - falou meio atônita e cansada - Ok. Boa noite. - falou e entrou rapidamente no quarto, me deixando sozinho no corredor. –
Então fui pro meu quarto. Entrei, joguei a chave do carro na mesinha e tirei a roupa, ficando só de cueca. Me joguei na cama, mas, apesar de exausto, demorei pra pegar no sono. Aquele beijo tinha sido uma prévia do quanto eu a desejava (seriamente, apesar de todas as brincadeiras), e ela a mim. Infelizmente, ela tinha interrompido os beijos e meus planos de dormir com ela tinham ido por água abaixo. Mas, inexplicavelmente, eu rolei na cama sozinho por algum tempo, sem conseguir dormir, imaginando se talvez, só talvez, ela também estaria acordada, pensando em mim.
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Acho que dessa vez a Vanessa não acertou o tiro no cara!!
Okay pulamos pra parte do beijo!! MARAVILHAAAA!!
Senhorita Vanessa porque fugiu?? Provocou e devia ter ido até 
o fim!! Será que o Zac vai parar de ser galinha pra consegui conquistar a Nessa??
#TomaraQueSim
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

27 de mai de 2015

Capítulo 9

"1 - Não pode se apresentar sozinho a um amigo nosso, senão um terceiro irá fazer isso. (Ou seja - nenhum membro da Belucci-Corleonni pode ir sozinho a um encontro)
2 - Não se deve olhar para as mulheres dos nossos amigos.
3 - Não deve se meter em confronto com os policiais.
4 - Não se deve frequentar bares ou clubes.
5 - Deve estar disponível a qualquer momento à Belucci-Corleonni. Até mesmo se a mulher está por dar à luz.
6- Os compromissos devem ser respeitados.
7 - Deve-se respeitar a esposa.
8 - Quando for chamado para esclarecer qualquer coisa, deverá dizer a verdade.
9 - Não pode se apropriar de dinheiro que pertence a outros ou a outras famílias.
10 - Não pode fazer parte da Belucci-Corleonni quem tem um parente nas diversas forças de ordem italianas, quem já traiu sentimentalmente dentro da família (mafiosa) e quem tem um péssimo comportamento e não respeita os valores."

Naquele momento, ouvimos algumas vozes se aproximarem e um barulho de chaves. Ele imediatamente me puxou e ficamos na lateral de uma prateleira estreita de livros. Nossos corpos estavam tão colados que eu podia sentir as batidas de seu coração, aceleradas por causa da adrenalina.
Zac: A máfia tem os seus próprios mandamentos? Que irônico. - sussurrou -
Vanessa: Bem, eles são mais éticos do que você. - alfinetei, e ele tapou minha boca com a mão –
Pierre: Então, meu caro. Guido pode lhe confirmar o que acabei de dizer, ele estará no Cabaret Bordeaux amanhã a noite.
Xxx: Administrando os negócios de perto.
Pierre: Exato. As garotas de lá são fenomenais, que tipo você prefere? Eles tem brasileiras, asiáticas, africanas, soviéticas...
Xxx: Prefiro ir checar o material.. - eles riram -
Pierre: Aqui está. - pegou uma garrafa de vinho na adega - Um Cabernet Sauvigñon de 1942. Vamos abri-lo no salão. - falaram saindo do quarto -
Então, ainda continuamos ali, mesmo depois de terem saído. O calor que minava de nossos corpos era evidente. Pela primeira vez, em dias, me senti atraída por ele. Senti o perfume amadeirado dele emanando do seu smoking impecável, e eu estava tão próxima da boca dele que senti que podíamos nos beijar a qualquer hora.
Zac: Ok... - saímos, meio sem graças - Nós temos que ir nesse cabaré!
Vanessa: Por que eu não acho que você diz isso com um tom investigativo?
Zac: Não faço a mínima ideia. - respondeu cínico -

-Com Zac-

Vanessa: Sério? Esse é o melhor disfarce que você me arranjou? - eu ri. Estava adorando aquela cena. -
Zac: Eu poderia ir de cafetão, mas a ideia de você de prostituta francesa me agradou mais. - sorri -
Vanessa: Eu queria que você estivesse queimando no inferno agora, seu imbecil. - falou passando por mim e entrando no cabaré -
Zac: E eu queria que você calasse a matraca, mas nem sempre temos o que queremos. - entrei logo atrás dela -
Ficamos no backstage, e o disfarce dela combinava perfeitamente com as outras meninas. No palco um musical acontecia, e puxamos um pouco a cortina para enxergamos melhor.
Zac: Ok. Ali está Stefano Corleonni, irmão do nosso vilãozinho.
Vanessa: Eu sei quem é ele.
Zac: Faça o seu trabalho. Eu vou estar assistindo o show. Na primeira fila. - sorri -
Vanessa: Idiota.
Zac: Dance para mim, querida. - dei um tapa no bumbum dela e saí de lá –
Então eu fui para a platéia, e me sentei na primeira fila, como tinha dito que faria. Alguns minutos depois, algumas mulheres entraram e fizeram umas danças sensuais. Algumas até desceram do palco e se sentaram no colo de alguns sortudos.. Mas, epa! Aquela era a VANESSA! Ela tinha levado o personagem bem a serio afinal... Depois de brincar com a gravata de um cidadão, ela partiu pra cima do Stefano com tudo. "Meu Deus, ela não vai fazer isso." - pensei. "Oh, ela vai sim." A vi sentando no colo dele, dizendo alguma coisa no seu ouvido... Me coloquei no lugar dele por dois segundos, o que me deixou excitado na hora. Depois, ela o acariciou com as mãos. Comecei a ficar incomodado pelo tempo que ela estava lá. Olhei pro lado, tentando evitar aquela cena, e logo depois ela se levantou e voltou para o palco, finalizando o número.
Zac: Eu te disse para levá-lo para o quarto, não pra transar com ele na frente de todo mundo. - falei puxando-a pelo braço -
Vanessa: Você não é o meu chefe. Aqui, achei essas chaves e esse endereço no bolso dele. - me deu as chaves e um cartão - Vou vestir um casaco e vamos até lá.
Zac: Eu pularia a parte do casaco, mas tudo bem. Te espero no carro.
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Opssss essa foi por muitooo pouco!! Falo no sentido de serem pegos
e C-L-A-R-O-O o 1º beijo dele hahaha
Vanessa vestida de prostituta francesa!! Essa eu daria tudo pra ver!!
Acho que pintou um ciumes por parte do Zac ai na hora da Vanessa senta no colo do
Stefano, só eu acho!?
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

26 de mai de 2015

Capítulo 8

Zac: Você realmente vai se arrepender se eu abrir meus olhos, Vanessa. - me remexi de novo - Não está conseguindo dormir também?
Vanessa: Sim.
Zac: Neste caso, eu estava pensando...
Vanessa: Eu não vou transar com você, Zachary. - ele se mexeu na cama -
Zac: Mas por que causa, motivo, razão ou circunstância? Não te entendo. As mulheres fazem fila para estar comigo!
Vanessa: Boa noite.
Zac: Tem certeza? Você pode viver tempos interessantes comigo.
Vanessa: Boa noite, Zachary. - repeti -
Zac: Seus lábios dizem não, mas seus hormônios dizem "oh, sim, por favor."
Vanessa: Meus hormônios dizem que eu deveria estar dormindo ao invés de estar nessa discussão sem futuro.
Zac: Tudo bem, você que manda. Mas espero que saiba que a tentação tocará a campainha, mas a oportunidade baterá apenas uma vez na porta.
Vanessa: Oh, meu Deus. Eu sabia que você era idiota, mas não a nível executivo.

-Com Zac-

No outro dia, o tempo amanheceu melhor. O sol até arriscava-se a sair tímido, e o único vestígio da tempestade da noite anterior era o vento frio pela manhã. Acordamos, e sem dizer uma palavra um ao outro, começamos a arrumar nossas coisas.
Vanessa: Você ouviu isso? - perguntou -
Zac: Não.
Vanessa: Tem alguém atrás da gente. - falou abrindo as janelas -
Zac: Não tem ninguém atrás da gente, Vanessa. Estamos no fim do mundo. - ela me ignorou, saindo do quarto, e fui atrás dela -
Vanessa: Eu ouvi um barulho lá fora. Não sou maluca.
Zac: Se tem alguém lá fora, é esperto o suficiente pra ficar longe de nós. - pegou a arma escondida - Tá brincando? Você tem uma calibre 380 cromada?
Vanessa: Você não tem um desses? - me olhou gabando-se -
Zac: Viu? Não tem ninguém aqui fora. - ignorei-a - Vamos entrar e tomar um chá de camomila, você está muito nervosa pra quem teve uma noite agitada comigo.
Então, um cara encapuzado apareceu e me puxou pelo pescoço, tentando um estrangulamento. Dei uma cotovelada em seu nariz, e vi a Vanessa apontando a arma pra nós dois. NÓS DOIS, o que quer dizer que eu poderia ser a vítima.
Zac: Abaixe essa arma! - gritei tentando derrubá-lo –
Com mais dificuldade do que eu esperava, consegui jogá-lo no chão, e ela atirou nele.
Vanessa: Não há chá de camomila no mundo que diminua o ódio que eu tenho no coração. - guardou a arma -
Zac: Você ficou maluca? Podia ter atirado em mim.
Vanessa: Não seria má ideia.
Zac: Jesus Cristo. Como você consegue dormir a noite?
Vanessa: Em lençóis de seda, rolando nua em dinheiro. - falou e voltamos para o quarto -
Ao anoitecer, finalmente chegamos em Paris. A grande maioria das luzes da "cidade-luz" já estavam acesas, o que dava um aspecto romântico ao lugar. Chegamos no hotel cinco estrelas reservado previamente para nós, e cada um foi para o seu quarto. Descobrimos, durante a viagem, que um grande e corrupto político de Paris, Pierre Bonsoir, iria dar um baile de gala em sua mansão bancada por dinheiro público. Tivemos a informação, também, que ele era aliado do crime de Guido Corleonni e Silvio Belucci, então tínhamos que estar lá. Me arrumei em alguns minutos e bati na porta do quarto da Vanessa, que saiu deslumbrante num perfeito vestido vermelho.
Zac: Serei muito repetitivo se eu disser que você está linda essa noite? - perguntei, sincero -
Vanessa: Obrigada. - sorriu -
Dei o braço para ela, e ela se entrelaçou em mim. Juntos, andamos até o carro, e alguns minutos depois chegamos no baile.
Zac: Ali está o Pierre. - falei disfarçadamente -
Vanessa: Sério? Com esse nome, achei que ele fosse mais charmoso. Oh, ele está acompanhado.
Zac: Então, o que você sugere? Você vai até lá e o seduz ou ensino à modelo gostosa que está com ele como é estar com um homem tão belo quanto eu? - falei pegando um petisco na bandeja do garçom -
Vanessa: E você acha que é capaz? - ela riu - Esse cara é um bilionário, Zachary. Ela está com ele por interesse, e é o tipo de mulher obstinada a arrancar tudo dele.
Zac: Observe a arte da sedução. Olhe, aprenda, e não coma meu petisco. - o coloquei na mão dela e saí -

-Com Vanessa-

Depois de flertar com ela de longe por alguns minutos, inacreditavelmente perdi os dois de vista. Ok, eu admitia. Ele era bom na arte da sedução. Bom até demais!
Zac: Procurando por mim? - falou no meu ouvido -
Vanessa: É, mas não esperava te encontrar. Achei que tinha ido para um lugar mais reservado com ela e tentado arrancar alguma coisa, mas já vi que...
Zac: Tipo isso? - estendeu a mão com um molho de chaves -
Vanessa: Bom trabalho. - sorri, orgulhosa - Talvez a gente devesse ir até a suíte dele.
Zac: Talvez é contigo. Comigo é prender e descobrir. - falou e eu o segui –
Entramos na suíte Bonsoir, e o lugar era extremamente luxuoso.
Vanessa: Procure nas papeladas, vou checar o computador. - me sentei, e o vi de longe olhando para meu decote -
Zac: Sabe, quando isso tudo terminar, nós realmente devíamos ter relações sexuais com raiva. - falou mexendo num bloco de papeis -
Vanessa: Não com você.
Zac: Talvez quando nos apaixonarmos... - falou tentando começar com um de seus joguinhos -
Vanessa: Oh, eu não namoro idiotas.
Zac: Sabe, não existe nada tão mau, selvagem e cruel na natureza quanto o que você faz comigo. - sorri - Achei algo. - me levantei e fui até ele -
Nas mãos, ele segurava um papel escrito em letras itálicas. Parecia ser um tipo de código a ser seguido, regras ou mandamentos.
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Mais um morto pra contagem da Vanessa... 
Eu já não sei mais o que comentar... Serei muito repetitiva dizendo a 
vocês o quanto o Zac e Vanessa estão maravilhosos nessa fic!!
Mas será que eles vão consegui decifrar esse código??
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

Capítulo 7

-Com Zac-

Vanessa: Bonsoir, Je voudrais deux chambres s`il S'il vous plaît. (Boa noite, eu quero dois quartos, por favor.) - falou com a recepcionista
Zac: O QUE? VOCÊ FALA FRANCÊS TAMBÉM?
Recepcionista: Désolé maître, mais nous avons seulement une pièce de rechange. (Desculpe senhorita, mas só temos um quarto vago.)
Vanessa: Quoi? Etes-vous sûr? J'ai besoin de deux chambres à coucher, une jeune fille. S'il vous plaît. (O Quê? Você tem certeza? Eu preciso de dois quartos, sou uma menina. Por Favor.)
Recepcionista: Je suis désolé. (Sinto muito)
Zac: Cadê a opção legendado?
Vanessa: Ela disse que só tem um quarto disponível.
Zac: Tem certeza? Isso não é um truque seu pra dormir comigo, não é?
Vanessa: Oh mon Dieu. (Oh meu Deus) - falou pegando a chave na mão da mulher, e eu a segui –
Entramos no quarto, e para minha felicidade, era uma cama de casal. Olhei pra ela e ri ao ver a cara de derrotada que ela fez.
Zac: Voulez-vous coucher avec moi, ce soi, ohhhhh... - cantei pra ela em ritmo de "Lady Marmalade" ao entrar no quarto. O que significava "Você quer dormir comigo essa noite? –
Entrei no quarto e me joguei na cama, enquanto ela ficava estática na porta.
Vanessa: O banheiro não tem porta. É uma cortina!
Zac: Obrigado, Deus!!!!! - falei rindo, e ela bufou -
Vanessa: Oh, pelo menos tem uma banheira. Vou tomar um banho e trocar de roupa.
Zac: Faça o que quiser, querida. Estarei assistindo. - sorri cínico –
Ela fechou a cortina e pude vê-la despindo-se, o que me agradou bastante. Vi sua silhueta tomando forma enquanto ela tirava o sobretudo e a roupa que usava por baixo. Depois observei ela tirar o sutiã e vi . Não tão surpreso, olhei pra minha calça e vi que já estava excitado. Me levantei, tomei um
copo de água e me acalmei enquanto ela terminava o banho.

-Com Vanessa-

Esperei por alguns segundos para que ele trouxesse alguma coisa, mas ele apareceu apenas com meus chinelos.
Zac: Aqui está. - colocou-os perto de mim, sorriu cinicamente e saiu do banheiro –
Ah, então ele queria brincar, não é? Ok. Íriamos brincar então. Mas ele não sabia que quem tinha inventado as regras desse jogo, era eu.

-Com Zac-
Deitei na cama novamente e peguei meu celular do bolso. Sem sinal nem internet. Quando menos espetava, vi a Vanessa saindo do banheiro e indo em direção à mala. Só com a toalha enrolada no corpo e molhada.,. Não devo negar que enlouqueci no exato momento. Mulher já era o meu fraco, e uma daquelas então... Ela pegou uma lingerie preta na mala, e me olhou. Sorriu vitoriosa, certamente ao ver a cara de babaca que eu tinha feito ao vê-la daquela forma. Não esperava isso, mas não nego que aquela cena me deu várias ideias para a noite.

-Com Vanessa-

Depois de vestir apenas uma lingerie preta vesti com hobie da mesma cor por cima, foi a vez dele ir tomar banho. Esperei alguns minutos e abri a cortina, e o encontrei apenas com uma toalha enrolada, desenhando seu membro que já estava bastante enrijecido, talvez devido a cena que eu o tinha proporcionado.
Vanessa: Desculpe, vim apenas pegar minha necessaire. - sorri, pegando a bolsinha em cima da pia e saindo do quarto. Sentei na cama e comecei a passar um creme nas mãos -
Zac: Tudo bem. - saiu do banheiro ainda úmido com a toalha amarrada, e pude reparar pela primeira vez como ele gostoso. O abdômen completamente dividido, os braços enormes, a barba por fazer que ressaltavam o seu aspecto cafajeste... - Se importa se eu colocar algo mais confortável? - perguntou ao notar que eu o olhava -
Vanessa: Não, o que eu vi no banheiro não me impressionou. - provoquei -
Zac: Isso aí é porque você ainda não viu em ação. - ele vestiu uma cueca box preta. Muito mais confortável, Zachary. -
Vanessa: Você é um sem vergonha. - me levantei, guardando a necessaire na mala -
Zac: Não duvide disso. - deitou na cama novamente, e eu tirei meu hoby, e ele me olhou de cima a baixo -
Vanessa: Sou muito cínica para usar calcinha de rendinha. - joguei o hoby na cadeira -
Zac: Você está me assediando agora?  - me deitei ao lado dele, me preparando para dormir –
Me remexi por alguns minutos na cama, tentando encontrar uma posição. Além da cama não ser da mais confortáveis, era ligeiramente pequena, o que me deixava próxima demais da respiração dele.
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Caraca russo, inglês, e francês também!? Até eu me surpreendi agora!!
Zac boiando parecendo eu quando vejo um vídeo sem legende em inglês hahahahaha
Que situação foi essa?? Esses dois começando se provocarem
vai dar algo a mais.... Será que vai ser agora hein!?
Ai ansiosa pra saber!! hahaha
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

25 de mai de 2015

Capítulo 6

-Com Vanessa-

Boris: Boa noite. - falou se posicionando ao meu lado, com um sotaque russo - Não pude deixar de notar... Como uma dama tão bela está sozinha esta noite?
Vanessa: Não estou mais. - sorri sedutora pra ele, tomando outro gole da taça de cristal -
Boris: Boris Kudrow. - estendeu a mão -              
Vanessa: Natasha Romanov. - eu já estava começando a gostar desse codinome! -
Boris: Venha, Natasha, vamos dançar. - ele pegou em minha mão e me levou até o salão principal -
Dançamos por um pouco mais de três minutos, mas foi o suficiente para saber que ele já estava caidinho por mim.
Boris: Eu tenho uma suíte no terceiro andar. Quarto 301. Gostaria de se juntar a mim para ficarmos a sós?
Vanessa: Pode subir. Irei logo em seguida.
Assim que ele subiu, fui atrás do Zac, que estava conversando com uma mulher, para variar.
Zac: Estou organizando uma orgia no meu quarto. Quer vir? Se você for legal o suficiente, eu posso te lamber toda.
Vanessa: Oh, meu Deus. Com licença. - o puxei -
Zac: Merda, Vanessa. Eu estava terminando de garantir a minha noite.
Vanessa: Ela não faz o seu tipo. Seu tipo é alguém muito mais idiota.
Zac: O que? Eu poderia comer ela de sobremesa!
Vanessa: Zachary, não estamos aqui para nos divertir.
Zac: Você estava gostando de dançar com o coroa.
Vanessa: Cale a boca. Ele me chamou para ir a suíte dele. Enquanto eu o distraio, você entra e checa os computadores e registros dele. Ele já está na palma de minha mão.
Zac: Tem certeza que não quer um pouco de privacidade? - falou enquanto subíamos as escadas -

-Com Zac-

Entrei na suíte logo depois da Vanessa. Ela ficou na sala com o velhinho, e eu fui para o escritório dele, como tínhamos combinado. Cheguei lá e abri o computador. Chequei os últimos registros, transações bancárias... Descobri que Silvio Belucci e Guido Corleonni estavam em Paris. Abri outros registros e vi minha foto, com todos os meus dados, inclusive que eu era um agente da CIA. Logo depois achei a ficha da Vanessa. Droga, então o filho da puta sabia que estávamos disfarçados e infiltrados, e isso queria dizer que a Vanessa estava em perigo sozinha com ele na sala. Tentei sair do escritório para avisá-la, e dois capangas apareceram. Entrei em uma luta corporal com os dois (simultaneamente), e alguns minutos depois, os dois estavam desmaiados no chão. Então, apareci na sala.
Boris: Como você chegou aqui? - perguntou assustado -
Zac: Por osmose. - peguei a arma e apontei pra ele -
Então ele apontou a arma pra Vanessa, e ela o puxou pelo braço e o derrubou no chão. Tentei ajudar, mas apareceram sei lá, uns mil seguranças tentando me impedir, e tive que bater em todos eles. Quando finalmente terminei, vi o Boris pegando uma maleta e saindo correndo. Corri atrás dele com todas as forças que tinha. Pulamos umas escadas, muros, mas ele foi mais rápido e conseguiu entrar no helicóptero dele, embarcando para Paris também.
Vanessa: Seu idiota. - falou aparecendo - Você não conseguiu alcançar um cara com o dobro do seu peso e o triplo de sua idade!
Zac: Ele sabia de tudo, Vanessa. Ia te matar!
Vanessa: E eu devo agradecer por isso? Perdemos a testemunha mais importante.
Zac: Não, não perdemos.
Vanessa: Por que você sempre acha que está certo?
Zac: Eu não acho, eu tenho certeza. Não se preocupe, tenho certeza que há algo em Paris que vale a pena matar.
Vanessa: É? E como você tem tanta certeza de que ele está indo pra lá?
Zac: Bem, eu sou homem e mais velho do que você, o que significa que estou sempre certo.
Vanessa: Não significa não.
Zac: Claro que significa. - peguei meu celular e liguei pro Charlie - Vou pedir um vôo para Paris o mais rápido possível.

-Com Vanessa-

No outro dia, acordamos cedinho, porque o avião já nos esperava para irmos à Paris. Finalmente uma missão em um lugar com o clima mais ameno e com um requinte de moda! O dia tinha amanhecido muito frio (mesmo para a Russia!), e a camareira me informou sobre uma frente fria que possivelmente chegara e causara a queda de temperatura. Depois disso, me vesti, desci até o lobby do hotel e tomei meu café da manhã. Logo depois, entrei no avião com meu querido e amável parceiro.
Zac: Tem uma gangue dentro de suas malas?
Vanessa: Sim. Pronta para acabar com você. - falei me sentando na poltrona -
Zac: Minha querida, para isso seria necessário uma nação. - se sentou também -
Vanessa: Ou talvez só eu.
Algumas horas depois, o jatinho começou a passar por uma turbulência. Então, o piloto apareceu.
Piloto: Com licença... - olhamos pra ele - O tempo está muito ruim, e o aeroporto Charlles de Gaule em Paris está congestionado por isso. Teremos que pousar numa pequena cidadezinha, no interior, chamada Chamonix.
Vanessa: O que? - perguntei -
Piloto: É uma medida de segurança, senhorita. O Aeroporto está cheio e uma tempestade está se aproximando da capital. Temo que se formos para lá, tenhamos que executar um pouso de emergência. Com licença. - falou se retirando -
Vanessa: Mas isso é um absurdo!
Zac Não é culpa dele, Vanessa.
Pousamos num aeroporto bem simples e modesto, e logo alguns metros depois havia um hotel, que para minha infelicidade, era mais simples e modesto ainda. Andamos alguns minutos na chuva enquanto eu puxava com dificuldade minha Louis Vuitton, e enfim chegamos no hotel. Hotel Fleu. Ou seria Fleur (flor, em frânces)? O letreiro estava metade apagado, não poderia saber. Ótimo.
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Eu ri da Vanessa!! 
Toda chique e agora vai ter ficar no meio do nada!! 
O que será que vai acontecer nesse hotelzinho hein!?
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

24 de mai de 2015

Capítulo 5

Vanessa: Rápido. - sorri, surpresa -
Zac: Ele é todo seu.
Vanessa: Então... - falei chegando mais perto dele - Stephen, não é?
Stephen: Pra você é só Steph. - ele sorriu -
Zac: Viu? É essa blusa! - se aproximou - Deixe que eu faço isso.
Vanessa: Ok. - sai de perto deles -
Zac: Você conhece Silvio Belucci?
Stephen: Sim, e ele vai aparecer aqui a qualquer hora.
Vanessa: Ótimo, estaremos esperando por ele.
Stephen: Hahaha. - ele riu - É uma pena que pense assim, morena. Porque ele vai aparecer aqui, me tirar dessa e matar vocês dois.
Zac: Te tirar dessa? - ele riu também - Ninguém gosta de você. Você é feio e sua mãe que te veste. Agora fique quieto, seu idiota.
Stephen: Não vou dizer nada do que vocês querem saber.  - o Zac deu um soco nele -
Zac: Eu posso fazer isso o dia todo. - sorriu -
Stephen: Ai. - falou com o nariz sangrando -
Vanessa: Onde estão Silvio Belucci e Guido Corleonni? - ele ficou quieto, e o Zac bateu nele novamente -
Stephen: AI! - gritou - Eu não sei, está bem? Tudo que eu sei é que vão estar em um cassino no centro da cidade hoje a noite!
Vanessa: Que cassino?
Stephen: Não sei! - apanhou novamente - AHHHH! Cassino Boulevard!
Zac: Obrigada pela colaboração voluntária. - falou saindo, e eu me aproximei dele -
Vanessa: Da próxima vez que não responder as perguntas do meu parceiro, arranco seus olhos e os enfio você sabe onde. - ele me olhou, assustada, e eu sai -
Zac: Meu parceiro? Você me chamou de "meu parceiro"?
Vanessa: Não. Você ouviu errado. - falei, desconversando

-Com Vanessa-


De noite, vesti um smoking clássico e desci até o saguão. Esperei alguns minutos pela Vanessa, para que pudéssemos ir até o Cassino Boulevard investigar o que de fato estava ocorrendo lá. Distraído, olhei para as escadas sinuosas do saguão e a vi, deslumbrante. Ela desceu cada degrau como numa cena de filme, e assim que chegou até mim, parou.
Ela usava um vestido decotado nas costas, brilhante, os cabelos levemente cacheados e uma maquiagem forte com os lábios insinuantes vermelhos.
Vanessa: Oi.
Zac: Você está linda. - falei, e em seguida me recuperei do "transe" - E eu falo isso sem a menor intenção de te levar pra cama hoje. A não ser que você queira, é claro.
Vanessa: Você é tão irritante. - abri a porta do carro pra ela -
Zac: Não posso agradar todas as mulheres, mas vou dar uma chance a você esta noite. - falei me sentando e começando a dirigir -
Chegamos no cassino, e parecia que lá eles levavam esses "jogos de azar" bem a sério. O lugar era imenso, luxuoso e havia um salão de dança. As milícias recebiam propina dos mafiosos para fingir que não sabiam da existência de lá, por isso era considerado clandestino.
Entramos, e pegamos duas taças de champanhe.
Xxx: Com licença. - um sujeito apareceu, falando com um sotaque russo -
Vanessa: Oh, oi. - falou sedutoramente. Ela sabia como fazer isso. -
Alexander: Sou Alexander Datrovksy.
Vanessa: Natasha Romanov. - trocaram um aperto de mãos - É um prazer.
Alexander: O prazer é todo meu. - sorriu - Gostaria de juntar-se a mim numa dança?
Zac: A dama é minha acompanhante, senhor. - a puxei pra perto de mim -
Vanessa: O que?
Alexander: Oh. Neste caso, me desculpe. Não imaginei que estavam juntos. Foi um prazer. - se retirou -
Vanessa: Você ficou maluco? Por que fez isso?
Zac: Quero escolher com quem você vai dançar hoje a noite. - ela me repudiou - O que? A não ser que você goste de coroas, que nem ele. Quantos anos ele tem, 70?
Vanessa: Acabamos de perder uma grande chance de investigar.
Zac: Não seja estúpida, aquilo não era uma grande chance, "Natasha!" Aquilo é uma grande chance. - apontou para um senhor de uns 50 anos, sentado na mesa de poker - Aquele é Boris Kudrow. O dono deste lugar. Quero que dance com ele. A não ser que ache que não seja capaz de seduzi-lo...
Vanessa: Meu caro, o inferno é brincadeira perto de uma Hudgens desafiada. - me deu a taça de champanhe e foi em direção a ele, enquanto eu sorria -
A observei. Ela se moveu lentamente pelo salão, pegou outra taça de champanhe cheia e lançou um olhar fervoroso para ele. Passou do seu lado, e ele a acompanhou com o olhar. Ela realmente sabia o que estava fazendo. Ficou parada perto do bar, e em questão de segundos, ele foi até ela.
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Estou simplesmente A-M-A-N-D-O essa fic!! 
A Vanessa é super poderosa!!! 
E o Zac um grande garanhão que se acha neh!? hahaha
Será que a Vanessa vai conseguir seduzir o Boris e arrancar tudo o que 
é necessário!? 
Espero que sim!!! Louca pra ver esse dois beeem mais 
próximos hahaha
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

23 de mai de 2015

Capítulo 4

-Com Zac-

Algumas horas depois, aterrissamos em solo russo. Desci primeiro do jatinho, e quando a Vanessa estava descendo com seu grande sobretudo de pele de animaizinhos indefesos - não que ela ligasse pra isso -, o co-piloto a fez de refém.
Vanessa: AH! - gritou quando ele a puxou pra perto dele, apontando uma arma na cabeça dela -
Xxx: Quieta! - falou segurando-a pelo pescoço -
Zac: Quem é você? Um agente duplo? - falei preocupado -
Xxx: Vocês acham que a máfia não já sabe que a CIA enviou dois agentes atrás deles? - perguntou ironico - Silvio Belucci está oferecendo um milhão e meio de dólares pela cabeça da morena.
Vanessa: Silvio Belucci está preso.
Xxx: Não mais. Fugiu hoje pela manhã! - falou nervoso -
Zac: Ok, fique calmo, cara. Não faça nenhuma besteira.. - falei tentando pegar minha arma -
Xxx: Não se mexa ou ela morre!
Zac: Eu tenho seu milhão e meio de dólares. Fique calmo, está bem? Eu o tenho. Mas não aqui, agora.
Vanessa: Zac, não se atreva a dar dinheiro algum a ele. - falou tentando escapar -
Xxx: Quieta! - grito -
E nesse momento de distração dele, eu peguei minha arma e atirei nele com meu modus operandi: dois tiros no coração e um na cabeça. A Vanessa saiu de perto dele, um pouco manchada de sangue, e nem um pouco assustada.
Zac: Agora são 88. - guardei a arma - Sabe, eu acho que um "obrigada" seria educado, agora. - falei acompanhando-a
Vanessa: Eu não ligo pro que você acha. - colocou os óculos escuros -
Zac: Você quase morreu, Vanessa.
Vanessa: Quase morrer não muda nada. Morrer muda tudo. - entramos no carro que nos esperava, e em poucos minutos chegamos no hotel
Vanessa: Dia duit, dhá sheomra, le do thoil. (Olá, dois quartos, por favor) - falou com o recepcionista
Zac: O que? Você fala russo? - perguntei incrédulo -
Vanessa: Aqui. A chave do SEU quarto e a chave do MEU quarto. Bem longes um do outro.
Zac: Não era bem isso que eu tinha em mente.. - falei andando junto com ela, enquanto ela entrava no elevador
Vanessa: Pegue outro elevador. Esse não tem espaço para mim e seu ego. - as portas se fecharam e ela subiu. Maldita.

-Com Vanessa-

O clima da Rússia, frio e seco, me obrigava a esconder os decotes e pernas. Mas isso não me impedia de colocar uma blusa sensual por baixo do casaco de couro que usava. Então, acordei no outro dia, pela manhã, me vesti e desci até o restaurante do hotel para tomar café da manhã.
Zac: Bom dia.  - puxou uma cadeira e se sentou -
Vanessa: Bom dia. - falei mexendo no celular - Você viu os emails que o Charlie mandou?
Zac: Vi. - falou pegando a torrada de minha mão - Ele disse que há uns 30 km ao norte tem uma metalúrgica suspeita. Acho melhor começarmos por lá. - ele tentou colocar a torrada na boca e eu a tomei novamente
Vanessa: Concordo. Precisamos arranjar um carro.
Zac: Deixa comigo. - falou se levantando -
Vanessa: Zachary, um carro discreto, está bem?
Zac: Pode deixar.
Alguns minutos depois, fui para a porta do hotel e ele apareceu com o carro. Uma lamborghini gallardo. AMARELA!
Vanessa: Falei pra você conseguir um carro discreto. - abri a porta e entrei no banco do carona
Zac: Era isso ou um mustang 1978. - falou acelerando
Enfim chegamos na fábrica, que era de fato suspeita. Segundo o Charlie, era o local onde havia a lavagem de dinheiro e os funcionários eram empregados da máfia, trabalhando como metalúrgicos apenas como fachada. Descemos do carro, e entramos no galpão. Não havia ninguém ali, então continuamos andando. Por se tratar de um lugar fechado, senti calor, e tirei o casaco.
Vanessa: Aquele ali é o Stephen Kurt. - falei apontando pra um funcionário - Braço direito de Silvio Belucci.
Zac: É...
Vanessa: Oi? - perguntei sem entender -
Zac: O que? Não ouvi o que você falou.
Vanessa: Zachary!
Zac: Desculpa, tá legal? Fica difícil me concentrar em alguma coisa com você tão perto de mim com esse decote. - o puxei pela camisa pra mais perto de mim
Vanessa: Faça o seu trabalho.
Zac: Com você?
Vanessa: Com ele. - olhei pro Stephen e o soltei -
Zac: Me encontre nos fundos em 10 minutos. - saiu –
Fiz o que ele pedia, e quando cheguei nos fundos da fábrica, vi o Stephen amarrado numa cadeira.
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Caramba eu estou cada dia mais admirada com a Vanessa nessa fic!!
Tome mais essa Sr. Zac ela fala russo!! #morta
hahahahaha acho que o Zac não compreendeu o significado de discreto hahaha!!
E será que esse Stephen vai abrir o bico ou vai ser mais um pra coleção
de mortos do Zac ou da Vanessa hein!?
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

22 de mai de 2015

Capítulo 3

-Com Vanessa-

Charlie: Nessa... - se aproximou de mim - Eu não a colocaria nessa missão se não tivesse plena certeza de que você pode dar conta dela.
Vanessa: E posso! SOZINHA!
Charlie: Você não entende? Eu jurei para o seu pai, no seu leito de morte, que te protegeria enquanto pudesse. Você escolheu seguir os passos dele, e tudo que eu posso fazer é garantir que você fique bem. É uma missão muito complicada, envolve tráfico de drogas, mulheres, dinheiro... Não posso permitir que você vá sozinha.
Vanesa: Então arranje outro agente! Não vou conseguir trabalhar com esse idiota, você o ouviu!
Charlie: Ele é um de nossos melhores agentes. Juntamente com você. Confie em mim, eu sei o que estou fazendo. - ficamos em silêncio por alguns segundos -
Vanessa: Charlie...
Charlie: Vocês embarcam amanhã. - falou seguro, e fiquei quieta. Então eu saí de lá. Ao passar pelo corredor, o vi conversando com duas mulheres ao mesmo tempo. Idiota! -
Fui pro SPA assim que saí de lá. Precisava continuar cuidando do meu corpo e aquele narcisista tinha me tirado do sério! Depois que saí de lá, fui para casa e tomei um banho. Pela noite, haveria um coquetel na agência, e eu tinha recebido um SMS do Charlie dizendo que queria que eu fosse. Como se não bastasse me colocar pra trabalhar com um brutamontes com excesso de testosterona, ele ainda exigia minha presença nesse maldito coquetel. Talvez eu devesse ter ficado nos montes Apalaches e feito alguns amigos lá. Estaria melhor do que agora. Me arrumei, fiz uma maquiagem preta carregada e passei um batom vermelho.

 -Com Zac-

Cheguei meio atrasado no coquetel, pois tinha acabado de transar com uma gata da academia. No vestiário. Então, cheguei em meu apartamento, tomei um e corri para a agência em meu Porsche Cayman preto. Estava perto da mesa de frios, segurando uma taça de champanhe na mão, quando um rosto conhecido de aproximou de mim. Era a Imogen, do setor de relações internacionais. Transamos algumas vezes, e ela me ligava sempre que estava carente. Na verdade, eu fiz muitos favores a ela com todos os orgasmos que a proporcionei. Ela estava triste porque o namorado a tinha traído, e eu a consolava nas noites de sexta-feira.
Imogen: Olá, Zachary. - se aproximou
Zac: Oi, Imogen. Você está ótima. - falei galanteador, tomando um gole do champanhe -
Imogen: Eu queria te dizer uma coisa...
Zac: Pode falar, sou todo ouvidos.
Imogen: Zac, eu.. - gaguejou, e eu esperei ela prosseguir - Zac, eu te amo.
Zac: Obrigado. - falei, sem esboçar reação
Imogen: Obrigado? - falou, começando a chorar - Eu digo que te amo e tudo que você responde é "obrigado"?
Zac: Francamente, minha querida, eu não dou a mínima. - ela saiu de minha frente, envergonhada. Então a morena sensual apareceu de meu lado
Vanessa: Apenas uma masoquista poderia amar tamanho narcisista. - falou parecendo casual, tomando um gole do champanhe que tinha em mãos -
Zac: Você sabe o que dizem... "Como você pode viver sem amor?" Bem, o oxigênio é bem mais importante.
Vanessa: Típico. - ela riu irônica
Zac: Bom, já que vamos mesmo ser parceiros, eu proponho uma trégua.
Vanessa: Eu não sou sua parceira. - falou, enquanto eu olhava fixamente pro decote dela
Zac: Tudo bem, mas se você me pagar um drinque, pode se dar bem essa noite.
Charlie: Ai estão vocês dois. Estava procurando-os. Venham, quero mostrar uma coisa. - o acompanhamos.
Então ele nos levou a um setor privado da agência. Entramos numa sala especial, cheia de equipamentos de alta tecnologia.
Charlie: O jatinho vai estar esperando por vocês aqui amanhã às oito. Não se atrasem. - falou abrindo a porta
Zac: Uau.
Charlie: Como é uma missão especial, achei que deviam levar algum equipamento especial também. - sorriu, convincente
Zac: O que é isso? - falei pegando um colete a prova de balas diferente -
Charlie: Um colete a prova de balas feito com fibra de carbono. É único no mundo. É capaz de reter as balas sem causar nenhum desconforto, e pesa metade do comum - o segurei na altura do peito
Então a maluca da Vanessa pegou uma arma sobre a mesa e atirou em mim. 4 vezes!
Zac: Você ficou maluca? - perguntei assustado, ainda segurando o colete -
Vanessa: É, funciona. - colocou a arma sob a mesa novamente, e eu larguei o colete assustado enquanto ela saía andando com seu salto alto

-Com Vanessa-

No outro dia, às 8:00 da manhã em ponto eu já estava no terraço da CIA, esperando pelo Zachary.
Infelizmente, o rei da cocada preta estava atrasado mais de vinte minutos quando apareceu.
Vanessa: Era às 8 em ponto. - falei dando minha bolsa a um empregado e tirando os óculos
Zac: Desculpe, parceira. Culpa do trânsito.
Vanessa: Não sou sua parceira. Não simpatizo com você e não tenho paciência pra fingir que simpatizo. - falei enquanto ele me dava a mão para eu entrar no jatinho
Zac: Você está muito tensa. Já experimentou fazer sexo pra aliviar a tensão?
Vanessa: "Meu querido..." - falei parafraseando-o - Na escola que você estuda, eu sou professora. - tirei o sobretudo peludo que usava, e ele me olhou de cima a baixo -
Zac: Não diga isso nem de brincadeira. Pelo menos não enquanto fica vestida apenas com essa micro-saia.
O jatinho então decolou. Era um vôo longo - até o Aeroporto Internacional de São Petersburgo, Rússia. Me acomodei em uma poltrona de couro marrom e peguei minha "Vogue" na bolsa, quando ele apareceu novamente.
Zac: Posso? - perguntou gentilmente, e eu permiti que ele sentasse a meu lado, embora houvesse outra poltrona bem longe de mim onde eu realmente queria que ele sentasse -
Vanessa: Vá em frente.
Zac: Tem certeza? Não vai ficar muito excitada se eu me sentar do seu lado? - o olhei, irritada, e ele se sentou - O que está lendo?
Vanessa: Vogue.
Zac: Entediante. - falou, pegando uma taça de vinho na bandeja da comissária de bordo que vinha nos servir. Segundos depois, meu Iphone, que estava em meu colo, tocou - Não vai atender?
Vanessa: Não. É o Austin, meu ex-namorado. Não que isso seja de sua conta. - falei sem tirar os olhos da revista -
Zac: Austin? Isso não é nome de mulher? Agora sei porque ele é o seu ex. - tomou um gole do vinho, enquanto eu o ignorava - Então... Qual o seu número?
Vanessa: O que? - larguei a revista e o olhei -
Zac: O seu número, quantos você já matou.
Vanessa: Isso é mesmo é necessário?
Zac: Não quero me gabar nem nada, mas o meu é 87. Não que eu me orgulhe disso.
Vanessa: 189.
Zac: O que?
Vanessa: O meu número. 189.
Zac: O QUE? - cuspiu o vinho -
Vanessa: Você que perguntou... - voltei a ler minha revista -
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Oiiii!!!
Caraca essa fic se resume em Vanessa poderosa e independente e Zac o garanhão 
galinha hahahaha
Fiquei tentando a cara o Zac de assustado quando a Nessa atirou no colete na frente dele 
hilário!! hahaha
Amei a comparação sobre o nome do Austin hahahaha
Uauuuu Vanessa é "assassina" profissional hein!?
Essa foi pro Zac perceber que não se pode ganhar todas se gabando de 87...
O que é 87 em comparação com 189?? hahaha nada!!
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

21 de mai de 2015

Capítulo 2

-Com Zac-

Cheguei na CIA. Enquanto caminhava até a mesa do Scott, pude perceber os olhares famintos das mulheres em cima de mim. Elas estava clamando por sexo, eu sabia. E bem, eu podia dar isso a elas. Tirei os óculos Carrera que usava e pisquei para a Katlyn, uma ruiva gostosa que tinha pego no verão passado. Maravilhosa, flexível e gostosa. Mas ela queria repetir, e eu caí fora. Preciso administrar meu tempo, afinal, sou apenas um para saciar a sede de tantas. Fazer o que, se os caras de hoje em dia não correspondem as expectativas delas? Gostaria de poder me dividir em 5 pessoas de mim mesmo, assim poderia satisfazer todas as mulheres! Isso realmente me incomoda, todas essas mulheres interessadas em mim, mas só por uma coisa... eu quero ser apreciado por quem eu sou! HAHAHAHA que piada, não quero não!
Sorri para uma loirinha que tinha pegado na sexta-feira passada também... Como era mesmo o nome dela? Não me lembrava. Mas também não fazia importância. Não nos veríamos mais. Essa era uma das melhores partes em ser um agente: as mulheres tinham fetiche por caras como eu. Forte, atlético e com uma arma na mão. E eu, como macho alfa, tirava o maior proveito disso.
Lily: A gente deveria sair qualquer dia desses... - falou pegando no colarinho de meu legítimo Armani Exchange -
Zac: Concordo. - sorri colocando as mãos na cintura dela enquanto ficava encostado na mesa do Scott, meu amigo.
Lily: Aqui está o meu número. - me deu um cartãozinho, e saiu andando -
Zac: Eu te ligarei, minha querida. - a observei - Eu já mencionei o quanto eu adoro essas garotas da contabilidade? - falei me virando para ele -
Scott: São as únicas que restaram, você já dormiu com todas as outras. - falou digitando alguma coisa no computador -
Zac: Menos com essa aqui... - falei ao ver uma morena bem sensual passando por mim. Tentei pegar na cintura dela, mas ela se irritou -
Xxx: Não pense em me tocar. - falou apertando meu pulso -
Zac: Uhh, você é difícil... Adoro desafios. - falei sorrindo, me aproximando dela -
Xxx: Eu estou armada, não durmo direito há três dias e odeio caras como você. - apertou mais meu pulso, e me soltou. Eu ri. -
Zac: Agente. Ótimas na cama. - falei pra o Ucker - Meu nome é Zachary, caso mude de ideia! - gritei enquanto ela caminhava para a sala do Charlie

-Com Vanessa-

Infelizmente, a CIA estava cheia de idiotas que achavam que tinham todas as mulheres do mundo de joelhos, dispostas a fazer sexo com eles a qualquer hora. E, mais infelizmente ainda, existiam mulheres idiotas que se submetiam a isso.
Eu nunca iria - me relacionar com nenhum desses idiotas. Passei pela grande porta branca que anunciava a sala do Charlie, e assim que ele me viu, me abraçou.
Charlie: Olá. - sorriu após nos separarmos -
Vanessa: Oi, Charlie. - sorri também, tirando o sobretudo e ficando apenas com o vestido preto que usava por baixo -
Charlie: Sente-se por favor.
Vanessa: Estou curiosa sobre o seus assuntos pendentes comigo.
Charlie: É sobre isso que quero falar com você. - falou ligando o grande telão atrás de mim, e eu me virei - Mas antes, preciso que a Laura, minha secretária, chame uma pessoa.

-Com Zac-

Laura: Zachary? - falou vindo até mim -
Zac: Para você é só Zac, minha querida. - sorri, abraçando-a -
Laura: Haha. - ela corou, sem graça - O senhor Crowe quer te ver. - caminhamos juntos até a sala dele -
Zac: Se você quiser me ver algum dia desses também, aqui está o meu cartão. - tirei-o do bolso interno do paletó pisquei pra ela -
Laura: Não posso me relacionar com ninguém da agencia.
Zac: Quem inventou essa regra idiota? - falei, e entrei na sala - Me chamou, Charlie? Opa! - falei ao ver a morena sentada na sala dele - Eu estou encrencado? - perguntei irônico -
Charlie: Se sente por favor, Zac. - eu o fiz, ao lado da morena. Sorri pra ela, e ela bufou, nervosa - Algum de vocês dois sabe quem é esse homem? - falou colocando uma foto no telão -
Zac: Guido Corleonni, não é? Está preso há uns anos. Eu o mandei pra cadeia. - falei, me gabando -
Charlie: Exatamente. Não mais, ele saiu sob liberdade condicional. Ele é o comandante da máfia italiana Belucci-Corleone.
Vanessa: Eu prendi Silvio Belucci. - me olhou, se gabando também. Grande coisa -
Charlie: E é exatamente por isso que vocês dois estão aqui. - sorriu, sugestivo -
Vanessa: Ainda não entendi.
Zac: Nem eu...
Charlie: Não fui claro? Vocês dois vão trabalhar juntos.
Vanessa e Zac: O QUE? - nos levantamos juntos -
Vanessa: Isso é algum tipo de pegadinha?
Zac: Deve ter havido algum engano, eu sou um agente individual, não tenho parceiros.
Vanessa: Assim como eu! Ele não pode trabalhar aqui na sede?
Zac: O que? Querida, eu sou muito bonito pra cuidar da papelada!
Charlie: Se acalmem, por favor! - pediu impaciente, e nos sentamos novamente - Vocês dois são os meus melhores agentes. É uma operação muito arriscada, envolve os dois maiores mafiosos italianos!
Zac: Deixa eu ver se eu entendi... Você quer que eu vá atrás do cara que eu prendi há alguns anos e que provavelmente deve me odiar por causa disso? - falei, percebendo o perigo da situação, o que me animou -
Charlie: Sim.
Zac: Ai meu Deus, eu amo este emprego. Estou nessa. Estilo Rambo.
Vanessa: Quer calar a boca, por favor? Obviamente houve algum engano aqui. Não vou trabalhar com você! Eu nem sei quem você é!
Zac: Querida, eu sou Zachary David Alexander Efron. Até as européias devem saber o que isso significa.
Vanessa: Nossa.
Charlie: Zac, pode nos dar um minuto?
Zac: Claro. - me levantei e sai de la -
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Hellooo!!!
Uuuuuiiiiii olha o gostosão!! hahaha O Zac é bem humilde néh!?
Eu ri do fora que a Vanessa deu no Zac!! Como é que ele chega assim 
numa pessoa que ele nem conhece!? hahaha
Será Charlie vai fazer a Vanessa aceitar a trabalhar com o Zac??
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

20 de mai de 2015

Capítulo 1

-Com Vanessa-

Recém chegada de uma operação nos Montes Apalaches, eu estava um caco. Costumava trabalhar sozinha, sem ninguém para atrapalhar meus planos ou interferir nas minhas idéias, o que me desgastava em dobro. Cheguei em meu grande e bem decorado apartamento em Manhattan, NY, e deixei as malas na sala de estar. Tirei meu sobretudo de pele de cordeiro, e o joguei sobre o sofá de carmurça rosé. Depois de tomar um banho quente, vesti uma camisola de seda egípcia e deixei o corpo cair na cama. Assim que fechei os olhos, tentando descansar, meu celular tocou.
Vanessa: Não é possível. - falei ainda com os olhos fechados - Não é possível. - olhei no visor e vi que era o Charlie, meu chefe - Você não deveria estar dormindo, Boss?
Charlie: Dormindo? São três da tarde, minha querida. - ele riu -
Vanessa: Maldito fuso horário. - me sentei na cama, desanimada -
Charlie: Você está famosa aqui no escritório. Todos estão comentando. Dizem que você fez os capachos bem treinados do Lionel Duffield parecerem seguranças de shopping. - ele riu -
Vanessa: E você acredita?
Charlie: Pelo que conheço de você, tenho certeza que é verdade. - rimos -
Vanessa: O que quer de mim? Não já fui suficientemente escravizada?
Charlie: Sem dramas, menina. - ele riu novamente - Quero que venha até a sede, gostaria de falar com você.
Vanessa: Sério? Agora?
Charlie: Ok, pode ser amanhã. Eu te dou essa cortesia.
Vanessa: Obrigada, Charlie. Eu preciso mesmo dormir.
Charlie: Tudo bem. Até mais! - desligamos
Fiquei imaginando sobre o que ele gostaria de falar comigo. Todos estavam comentando que ele iria se aposentar, afinal ele já se aproximava dos 70 anos. Mas eu não acreditava nos rumores, afinal ele sempre parecera muito forte e saudável. Além do mais, eu não sabia direito o que se passava dentro da empresa, pois era uma agente externa. Trabalhava em missões específicas, e raramente ia até a sede, o que me deixou ainda mais curiosa. Mas eu não tinha mais forças para pensar sobre isso, a longa viagem e o fuso horário me deixavam tão exausta que adormeci sem ao menos perceber.
Acordei cedo no outro dia, e quando cheguei na sala, meu café da manhã já estava posto à mesa com tudo que eu gostava - queijo cottage, iogurte, frutas vermelhas e pães de mel - pela Beth, minha empregada.
Vanessa: Bom dia, Be. - coloquei minha Prada em uma cadeira e me sentei em outra -
Beth: Bom dia!
Vanessa: Alguma novidade nos dias em que eu estive fora?
Beth: Bem, sua mãe ligou hoje mais cedo. Só pra se certificar que você estava viva.
Vanessa: Ligarei mais tarde para ela.
Beth: Algo mais que eu possa trazer pra você?
Vanessa: Não, obrigada. - falei e ela se retirou -
Quando estava saindo de casa, dei de cara com um visitante não muito agradável.
Vanessa: Austin? - falei assustada ao abrir a porta -
Austin: Oi.. Sinto muito ter vindo tão cedo.
Vanessa: É, eu estou de saída.
O Austin era o meu ex-namorado. Alto, magro e loiro, ele fazia o tipo romântico, carinhoso... Só que eu, inacreditavelmente, não gostava disso. Na verdade, esses romances mornos nunca me atraíram muito. E por isso, tínhamos terminado há um pouco mais de duas semanas. Na verdade, eu tinha terminado com ele. Não conseguia ficar por muito tempo com um homem só. Depois de alguns meses eles me pareciam... babacas correndo atrás de mim.
Austin: Será que não podemos conversar?
Vanessa: Não me ouviu? Estou de saída.
Austin: É só um minuto.
Vanessa: Eu realmente não posso agora. Tchau, Austin. - falei saindo de casa e o deixando sozinho
Depois de comer, entrei na minha Land Rover Evoque branca, e dirigi até o escritório. No caminho, peguei o celular e liguei para minha mãe.
Vanessa: Oi, mãe.
Gina: Você sabe como eu fiquei preocupada com você? Você não me deu uma ligação desde que chegou de viagem!
Vanessa: Isso é porque eu cheguei de viagem há um pouco mais de 12 horas. Não precisa ficar paranoica, eu sei me cuidar.
Gina: Não importa! Eu fico neurótica com essas suas missões, Vanessa! Oh, Deus, você não poderia ter feito uma faculdade de arquitetura, direito, engenharia...?
Vanessa: Mãe, eu estou bem. - falei calma -
Gina: Sim, eu sei! E então, você e o Austin já se acertaram?
Vanessa: Engraçado você me perguntar isso, ele acabou de aparecer de surpresa em meu apartamento.
Gina: É, eu disse a ele que você já tinha voltado de viagem.
Vanessa: Mamãe!
Gina: O que? Eu só quero o melhor pra você! Você já tem 27 anos, não tem medo de ficar pra titia?
Vanessa: Um: eu sei o que é melhor pra mim. Dois: Não, não tenho. Três: eu agradeceria se você parasse de tomar decisões por mim.
Gina: Você deve estar fingindo. Não é possível ser tão independente assim! Toda mulher precisa de um marido.
Vanessa: Eu não preciso.
Gina: O Austin é um bom rapaz, Van.
Vanesa: Ah, não. Não vamos entrar nessa discussão de novo. Preciso desligar, tchau! - desliguei o celular e continuei dirigindo -
Cheguei na empresa, estacionei e subi o elevador. Assim que as portas se abriram, vi o escritório cheio de gente, cada um trabalhando em sua especialidade. A CIA era a maior e mais importante agência de investigação da América. Mas os agentes do FBI e da Interpol não concordavam com isso, então tínhamos uma pequena... rixa com eles.
Ashley: Você está ótima. - falou aparecendo ao meu lado enquanto eu caminhava até a sala do Charlie –
A Ashley era minha amiga. Formada em computação informacional, ela era uma agente interna, e por isso quase não nos víamos.
Vanessa: Obrigada. - sorri -
Ashley: Parece que o sol dos Apalaches fizeram bem à sua pele. E ao seu cabelo.
Vanessa: É verdade. - ela sorriu também -
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Hellooo!!!
Aqui está o primeiro capítulo!!
Já amei logo de cara por conta do fora que a Vanessa deu o Austin
hahaha e o que será que o Charlie quer com a Vanessa hein?!
Comentem ai....
Beijos e até qualquer momento!!

17 de mai de 2015

Sinopse

Vanessa e Zac. 
Gênios opostos, naturezas incompatíveis, ligados apenas ao único fato de que ambos são agentes da CIA. Mas, dentre todas as possibilidades, era impossível que eles fossem escalados para trabalhar juntos, certo? 
Errado. 
Com a ressurreição da máfia siciliana italiana, a CIA é a principal superintendência para investigar o tráfico de drogas e mulheres em todo o leste Europeu. Então, os dois são escalados pelo chefe de segurança do estado, Charlie Crowe, para investigar os crimes. 
E como se não bastasse, deveriam embarcar em uma viagem, juntos!


♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Oi meninas!!!
Aqui está a sinopse da fic vencedora!!
Amanhã (20/05) já começo a postar e isso também significa que
amanhã nosso top coments já começa a valer okay!?
Espero vocês aqui!!
Beijoos e até amanhã!!